Feliz Dia dos Pais, Papai!





Papai Gessel, só depois de casar eu percebí a diferença e a falta que é não te ter todos os dias, de não ser acordada por vc pra ir pra escola, nem que seja pra trabalhar, o que é o meu caso agora.. Sinto a falta de vê-lo saindo cedo para buscar o pão e o leite na padaria, enquanto o café já está cheirando na cozinha, e olha que foi você que o preparou. 

Paro e penso em quantas já aprontei na minha adolescência e juventude em que estive em casa e que deixei os seus poucos, mas preciosos cabelos em pé. Com minhas desobediências, minhas mentiras que revertiam em forma de varadas, mas com todo o amor e preocupação que vc sempre teve por mim, pelo Nando, a Kel, e a Edi e a Beca que não escapavam das broncas quando aprontavam tb. 
Mas lembro ainda mais do carinho e do cuidado de me levar nas costas quando estava na primeira série, do 1 cruzeiro de real que eu ganhava todo dia, das balas Paulistinha que comprava pra gente quando íamos pra Rio Preto, dos domingos que almoçávamos na vovó Suzana, dos avisos pré-acampamento com o famoso discurso pra que eu "tomasse cuidado com minhas atitudes e ações, já que eu estava representando o Gesssel e a Cenira, onde quer que eu estivesse".

Lembro de vc me levar todos os dias pra escola no carro, lembro do Gol fazendo o caminho do colégio Patriarca, depois do Cedame e o melhor, me levando pro meu casamento, enquanto sempre conversamos sobre os mais variados temas, desde comportamento, gastos, regras de trânsito, vida cristã e  qual será o próximo carro que vc vai ter. ( E vai ser o melhor, tenho certeza, pois o Sr vai prover o melhor! E não é por merecimento, pq se fosse isso, acho que o mundo deveria ser seu, mas como o Pai-Mor é justo e bondoso, por graça ele nos dá o que precisámos!)

Sinto muita falta, e amo estar perto de vc, papai. 
As vezes estou aqui em casa, de sábado a tarde e imagino que se estivesse aí , estaríamos fazendo um lanche com frios ou salsicha, tomando refri e depois ficando com vontade de tirar a maior soneca. Esses momentos, tão simples e pequenos são os mais importantes e especiais, mais do que qualquer cerimônia de entrega dos Oscar ou até um casamento.
São eles que erguem muros de amor e segurança na nossa vida e eu do graças ao Pai pq fui extremamente privilegiada ao nascer na sua família e ser sua filha. 

Sei que mesmo quem não pode ter um pai por perto, como a Edi, a Beka, o Bruno e a Pepê... puderam contar com o mesmo amor e cuidado que vc providenciou para os que são do sangue Rodrigues. E que podem te chamar de pai tanto quanto eu o chamo.

Te amo de vilotto!
Bjus, Pri.


4 comentários:

  1. Vc é boa hein, garota!? Conseguiu me fazer chorar e aposto que o papi tb vai cair na sua....
    Bjos! Te amo!!

    ResponderExcluir
  2. Lindo post, me emocionei.

    Sempre que lembro do Tio me vem logo em mente a imagem de um homem bom.

    Li e vi que muita das situações citadas são as que eu vivi com o meu pai e também sinto a mesma falta.

    Somos privilegiadas, temos pais da melhor qualidade!

    Beijão!

    ResponderExcluir
  3. Aiin que lindooo!!
    intaoo querida. ja xeguei de férias!! hihihi

    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu carinho e recado.