Post pessoal - já vou logo avisando!

     Peguei pra ouvir Os Arrais hoje, e aproveitei pra escrever um pouco sobre o que me consome nestes últimos anos e meses da minha vida. Não sei se posso dizer que sofro, principalmente porque conheço pessoas que se aterrorizam com a fome, doenças, a morte,a ausência de um pai, de uma mãe, ou de uma família por completo. Mas é estranho como não sai de mim um vazio que não consigo nomear. 
Sinceramente sinto que estou só com minha dor e com essa lacuna que se eu tentar explicar vai parecer mais orgulho do que tudo. 
     Honestamente sei que falta comunhão com Deus... uma droga que não machuca explicitamente com a abstinência  mas que mostra suas garras infincadas na minha alma toda vez que quero me sentir completa. Deus me criou para ter comunhão com Ele e isso me bastaria... se eu o fizesse! Na verdade é uma distância que para mim sempre foi anulada com a presença de um lugar físico onde minha vida espiritual foi formada, um lugar aonde eu "pertenci"! Foram 20 anos de uma rotina. Acordar cedo aos domingos, encontrar amigos e suas famílias, ouvir sobre o poder de Deus, adorar, orar, agir... mas desde que casei, Deus me esclareceu algumas coisas que me fizeram mudar de espaço físico pra buscar um alimento mais robusto... buscar mais!!
     Nesse tempo - 4 anos - Deus me mostrou várias coisas que até então eram maduras demais para mim. Me mostrou minhas reais intenções, onde viver o AMOR que sempre achei que vivia quando na realidade eu sempre estive longe demais do "perdido".... me encontrei mais perdida e necessitada de misericórdia do que qualquer outro humano ser que conheço, principalmente pelo fato de "muito ouvir e saber" da vida em Deus. Mas acho que novamente me apeguei ao fato de "achar que sabe o que tá fazendo" e estar feliz por não ser mais cega, ignorante ou afins... e me coloquei no pior lugar que uma criatura pode se por: no trono do Criador julgando e justificando minhas intenções!! Tooooola! 
    Quero tanto caminhar em frente, quero muito rasgar a paisagem que diariamente visualizo para -  quem sabe -  encontrar novos horizontes desenhados e escolhidos para minha vida de gente grande! Sabe quando a gente quer saber quais os planos de Deus pra nós? Então... tô por aí!!!
    Estou tão farta das pessoas dizerem que me exponho demais, que deveria ficar mais na minha e deixar o que penso pra lá... triste por que hoje em dia as pessoas preferem a  falsidade ao invés da verdade.... de trocar o enfrentamento de suas falhas para melhoria própria e aumentam o nível de melindres. Me sinto no tempo de Jane Austen, quando tudo era vivido em prol da moralidade e da aparência e sorte de quem tivesse sorte. 
     Uma coisa que me dói é me ver lutando contra todas as ações ou atitudes que um dia foram verdade e se tornaram religião para mim. Sabe, ser "crente" de novo me traz asco! Isso é triste e desesperador, então das últimas vezes que tento alguma comunhão ou eu clamo, ou eu choro, ou eu brigo e me confesso com todas as sinceras e horrendas palavras que existem em mim... não sai da minha cabeça que Deus tem os seus preferidos!!! E que mesmo estando perto de alguns... essa atenção querida e ampla não quer me alcançar! 
     Queria finalizar o texto co uma chave bem bacana, mas a verdade é que eu sou assim: descarrego toda a minha diarreia verbal e bom, me limpo do melhor jeito que dá e aperto a descarga pro universo!!! Nunca espero uma resposta... pelo menos não literária! Espero por algo celestial mesmo!! Quero que isso acabe... esses ponto e vírgula que fico querendo achando que são um ponto final.. mas que só viram reticências !
   Anyway... não sei se isso acaba por aqui... Sinceramente imploro por mudanças, Deus!!!
E vou nessa!!!  Valeu universo!!! 


2 comentários:

  1. Oi Priscila!
    Sou de BH e acompanho seu blog há um tempão.... desde antes de vc casar. Gosto de ler o q vc escreve e hoje, depois de ler o q vc escreveu, não pude deixar de comentar. Eu venho de um lar evangélico, batizei com 8 anos, tive experiência com o batismo no Espírito Santo (falar em línguas) aos 13 e sempre fui muito ativa na igreja. Tive o meu primeiro namorado com 19 anos e me casei com ele (14 anos em 2013), temos 2 filhos de 9 e 7 anos. Nesse tempo todo vivi muitas coisas com Deus, mas graças a Ele mesmo, não o abandonei. Aprendi q mesmo q as coisas mudem externamente, pessoas, igrejas, pastores, etc nada nem ninguém pode tirar o q eu tenho com Deus dentro de mim. Por isso, eu continuo minha caminhada. Deixo com vc o texto de Rm 8:38,39. Sou membro da Igreja Batista da Lagoinha e percebi que vc conhece o Rodrigo Campos q hj está no Diante do Trono, né? Bem, se precisar de alguma coisa, é só falar, tá? Fique com Deus.

    ResponderExcluir
  2. Olá Priscila!
    Entrei em seu blog pelo blog do Rodrigo Campos. Sou da Igreja Batista da Lagoinha, em BH e acompanho o Diante do Trono, do qual o Rodrigo é um dos integrantes. Gosto de ler seus textos, ver as imagens que você posta e admiro seu talento.
    Hoje, quando li seu desabafo, senti de comentar. Você fala sobre uma rotina de igreja que você viveu por 20 anos mas que quando casou, resolveu mudar por ter algumas coisas esclarecidas, mas diz também que o vazio continua.
    Olha, eu me identifico com você, mas estou escrevendo para te dar algumas dicas. Imagino que essa mudança que você fez, na verdade, o intuito é sair do oba oba, da superfície, desse fogo de palha que está sendo tão valorizado no gospel hoje. Eu também vivo isso, mas justamente para não continuar com esse vazio, resolvi colocar assim: eu tenho algo com Deus, dentro de mim, que nada poderá tirar. Quando eu digo nada, me refiro a esse oba oba, esse fogo de palha do gospel, etc.
    Com isso, eu continuo indo à igreja (e olha que Lagoinha é uma igreja grande), participo de um grupo pequeno de oração, mas entendo que o meu momento com Deus é primordial. Eu respiro, eu vivo, eu sobrevivo me alimentando de Deus na Sua Palavra e na oração. Só assim aquele vazio é preenchido.
    Espero ter ajudado. Gostaria de continuar a conversa, ok?
    Deus abençoe.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu carinho e recado.